sexta-feira, 20 de maio de 2016

Pela flor caiçá

 
Pela flor caiçá

Deste rio
tão caudaloso
só quero a margem.

Só a margem
não corre.
E sem corrente
(de repente?)
se é livre.

Mas o rio ruge
tão perto!

[tão alto]

Voraz

Engole tudo:
troncopauepedra

Engole a capivara que pasta de cabeça baixa, perto demais.

Engoliu o barco que ali ficava.
Engoliu a ponte que nunca existiu.

E os patos de borracha,
que boiam sobre a torrente,
(ainda não o sabem)
há também de engolir.

Tão caudaloso esse rio,
tão barulhento
e barrento
corre,
sem perceber que não tem por destino outro
que dar de frente
com outra corrente
e, engolido, sumir no mar.

O rio correu
roeu
levou morro e rocha e a capivara que nele entrou.

Mas a margem,
ainda que roída,
moída
doída
e arranhada,
permanece.

E quando a água baixar
ali vai brotar
uma flor caiçá.















Escrito certamente influenciado por esse texto do @saobrabo.
Foto do Photobucket, aqui.

Nenhum comentário: