sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Amemorias

De Audrey Kawasaki, como não poderia deixar de ser.


Naqueles dias, naqueles rostos, naqueles sonhos em que retornam as memórias mais queridas daquilo que nunca vivi, é difícil não fantasiar um outro tomar de rumo, um passado não passado, deixado para trás em páginas apergaminhadas de tempo e lembranças. Reminiscências de possibilidades à margem, que me acenam nostálgicas. Parecem compreender, não se ofendem. Sorriem seus sorrisos mais carinhosos de adeus, de até mais ver. De até a próxima esquina distante em que o Acaso achar por bem nos atirar por breves instantes, antes que continuemos por nossos caminhos. Nesses dias de abraços coloridos, eu fico meio blues.

2 comentários:

b r u h disse...

Suspiros. Vários.

Ana Gabriela disse...

Pois, será que voltaremos a encontrar as possibilidades que um dia se mostraram certas e deixamos para trás sorrindo, acenando e compreendendo nossos motivos de seguir em frente? Nostalgia. Nada mais.

Que tenhamos um ano colorido. Abraços, Rodrigo.