quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Homenagem

Chega a dama
de pincel na mão.
Quadro estranho,
nunca viu tal formão.

De arte, não dá bandeira.
— Não dá, Bandeira!
Não dá.

Arte?
Articulação.
Arte?
Manha.

Chega a dama toda prosa
É ela a dama do verso?
É ela dama diversa.

Atuar, atua; bem se diga.
Só não no palco, que prefere os bastidores.

Apaga-se a ribalta,
desafina a canção,
ao ver a dama de pincel na mão.

Eis a dama acenando um papel.
Há Letras lá; mas só lá, pois então!

— Abana mais forte, pra espantar a poeira!
Muito tempo parado, acumulou pó da prateleira.

Pintou assim, meio do nada.
Como uma pincelada mal feita,
como obra rasurada.

— Basta, poeta. Já não há o que fazer.
— Muito o há, mas será que vai acontecer?

Arte?
Artimanha.
Arte?
Articulação.

Sobrou a esperança
do erro,
de não repetir-se o refrão.

Espero a dama
Calar-me então.

Terá seu ato diferente bordão?

12 comentários:

Labes disse...

Ou não lembro ou esqueci mesmo ou fiz questão de esquecer ao ler, mas é difícil te ver em versos. Gostei dos jogos com a arte. Gostei, sobretudo, do ritmo diverso. Abraço!

costadessouza disse...

"A Dama da Arte", disse hoje um título infeliz de jornal.
Mas graças a esse título (e à reportagem, essa sim primorosa, da Wania) pensei desde o começo do poema na coitada da Marlene Schlindwein.
E ri da situação com teus versos.
Abraço

Viegas Fernandes da Costa disse...

É Rodrigo, mas temo estar certo o poeta. Se antes estávamos órfãos, agora não sei o que nos resta. Resta?

Rodrigo Oliveira disse...

Para aqueles que chegam aqui e não são de Blumenau, e estão procurando por uma contextualização, dêem uma lida neste post do Costadessouza: http://costadessouza.wordpress.com/2009/02/05/carissima-dona-schlindwein/

Labes disse...

Mesmo o que são daqui. Só me dei conta de quando li, à noite, o texto da Mona.

Leandro Jardim disse...

poema interessante, diferente, gostei!

abs
Jardim

Labes disse...

Roubei o texto pra colar no Falações. Com fonte, claro. Aliás, muitas fontes: peguei tudo quanto havia sido escrito a respeito - e que eu cheguei a ler - e pus por lá.

Abraço.

fabioricardo disse...

eu nao curto muito poesia não. Sou tipo uma Dona Marlene, digamos assim, hehe.;

Mas achei que as brincadeiras com a arte e a manha ficaram ótimas.

evandrodeassis disse...

Tenho que te ler mais, meu caro.
:)

abraço!

Rodrigo Oliveira disse...

Opa, boa surpresa encontrar vc por aqui, rapaz. Apareça sempre. abraço!

caroline p. disse...

bacana, Rodrigo.
saudade dos encontros da pós.
beijos

Rodrigo Oliveira disse...

Carol! boas horas felizes aquelas, realmente.
Beijo!